Um olhar histórico aos partidos políticos concorrentes às eleições angolanas

Angola esteve mergulhada num conflito armado, que pode ser caracterizado em três fases.


A primeira fase que vai de 1961 a 1974, foi a da luta armada para a independência de Angola;

A segunda de 1975 a 1991, foi a da primeira guerra civil, protagonizada pelos três movimentos independentistas; e a última de 1992 a 2002,  teve a ver com com o início da segunda guerra civil e o culminar da mesma,  que deu azo à assinatura  dos acordos do Luena de 04/04/2002.

Alcançada a  independência nacional em 1975, Angola realizou as primeiras eleições multipartidárias em 1992; as segundas em 2008; as terceiras em 2012 e as quartas terão lugar aos 23 de Agosto do corrente ano

Às primeiras eleições realizadas de 29 a 30 de Setembro de 1992, 16 meses depois depois da  assinatura dos acordos de paz de Bicesse, participaram 18 partidos políticos nas legislativas (incluindo coligações), dos quais apenas  8 tiveram assentos parlamentares (AD-Coligação, FNLA, MPLA, PLD, PRD, PRS, PSD e a UNITA), enquanto que nas presidenciais participaram 11, mas só 2 candidatos (José Eduardo dos Santos, candidato do MPLA e Jonas Malheiro Savimbi da UNITA) tiveram percentuais mais importantes que os apuraria para a segunda volta das eleições.

26 anos depois, realizam-se as segundas eleições na história de Angola, depois dos acordos do Luena, isto em 2002. Nestas eleições que tiveram lugar em 2008, participaram 14 partidos e coligações dos

Partidos políticos, entre os históricos (FNLA, MPLA e a UNITA), e os novos partidos e coligações dos partidos políticos. Como resultado final, 5 partidos políticos tiveram assentos parlamentares (FNLA, MPLA, ND, PRS e a UNITA).

Um dado importante a assinalar tem a ver  com a regularidade na realização de eleições periódicas angolanas de 5 em 5 anos. É assim que foram realizadas eleições em 2012, às quais participaram 4 partidos políticos e 5 coligações dos partidos políticos  (CASA-CE, CPO, FUMA, FNLA, MPLA, ND, PAPOD, PRS e a UNITA), enquanto que neste ano participarão 1 coligação e 5 partidos políticos, nomeadamente: APN, CASA-CE, FNLA, MPLA, PRS e a UNITA

De 1992 para cá, vê- se que o número dos partidos e coligações dos partidos políticos vem diminuindo substancialmente. Se em 1992 participaram 18 partidos políticos e coligações dos partidos políticos, em 2008 o número baixou para 14;  em 2012 para  9  partidos políticos e coligações dos partidos políticos e enquanto que em 2017 baixou para 6 partidos políticos e uma coligação dos partidos políticos. Com base nestes dados, surgem as seguintes questões:

1- Será que nas próximas eleições de 2022, o número dos partidos políticos ou coligações dos partidos políticos concorrentes poderá decrescer ou crescer?

2- Será que  o regime angolano adoptará o sistema do regime Bipartidário?

Respondendo a primeira questão, penso que, o número poderá decrescer porque nota-se um desinteresse por parte de alguns cidadãos em criarem mais forças políticas. O  que poderá acontecer é que as forças políticas já existentes, que de qualquer modo foram extintas, poderão aliar-se aos outros partidos políticos ou coligações dos partidos políticos a fim de torná-los cada vez mais fortes.

De seguida, penso que não, porque é possível que permaneçam mais partidos políticos ou coligações dos partidos políticos, mas que não serão abaixo de 3 partidos políticos

Surge mais uma outra questão, será que os partidos históricos desaparecerão dando surgimento à novas forças políticas?

A está questão, espero que o futuro responda.

Dott. Adão Agostinho

Recommend to friends
  • gplus
  • pinterest

Leave a comment